Fórum de Creas do Nordeste em Aracaju propõe criação de Comissão Temática para discutir a qualidade do ensino da engenharia, da agronomia e Geociência

A qualidade dos cursos de engenharia oferecidos hoje no País foi um dos principais assuntos da pauta da 4ª Reunião de Fórum de Presidentes de Creas da Região Nordeste, realizada na última sexta-feira (5/10) em Aracaju.  As reflexões e pontos de vistas colocados sobre a questão resultou na proposta da criação de uma Comissão Temática para aprofundar a discussão sobre o tema. Aprovada, por unanimidade, a proposição tem por objetivo ampliar o debate com foco em várias frentes relacionadas ao ensino da Engenharia, Agronomia e Geociências.

No foco da Comissão estão as alteração das diretrizes curriculares nacionais para os cursos de engenharia; o ensino à distância; o sistema de avaliação dos cursos, além de certificação e acreditação de cursos. Outro ponto é a eventual realização de exame de suficiência pelos conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas, como requisito para obtenção de registro profissional.

O Fórum contou com a presença do presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), engenheiro civil, Joel Krüger que considerou a proposta de criação da Comissão Temática como sendo um instrumento importante para avançar na discussão mais objetiva de temas específicos. “Entendemos que a evolução tecnológica impõe a necessidade de mudanças permanentes do ensino da engenharia, da agronomia e

Pres. Confea, Joel Krüger

da geociência. Da proposta de mudança das diretrizes curriculares apresentada pelo Conselho Nacional de Educação, em alguns pontos concordamos, mas há pontos que divergimos. Não abrimos mão, por exemplo, de ter no mínimo uma formação de 3.600 horas”, disse ele.

Quanto à modalidade do ensino à distância, o presidente Joel Krüger foi enfático ao afirmar ser contra que os cursos de engenharia e de agronomia sejam desenvolvidos integralmente dessa maneira. “Entendemos que uma parte do curso, entre 20% a 30% de determinadas disciplinas possam ser realizadas à distância, mas as atividades práticas, de laboratórios são fundamentais que sejam presenciais. Então existe um conjunto de pontos que nós alinhamos com o Ministério da Educação, mas também há pontos que temos divergências”, esclarece o Presidente que também destaca a necessidade de uma ampla e profunda discussão sobre os mecanismos de controle da qualidade das instituições de ensino.

Pres. Crea-SE, Arício Resende

O Fórum foi aberto pelo anfitrião do evento, o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe (Crea-SE), engenheiro agrônomo Arício Resende Silva que definiu o encontro como um importante espaço para discutir temas de interesse da sociedade, além de políticas públicas e, também, temas corporativos de gestão interna do sistema profissional. “São reuniões, onde os presidentes de Conselhos e neste caso os da região Nordeste trazem para debate temas regionais e nacionais de interesse dos profissionais, bem como suas dificuldades e soluções frente aos problemas enfrentados em suas respectivas gestões. Há um importante compartilhamento de informações e troca de experiências de atividades e projetos na busca de melhorias para o sistema profissional como um todo”, enfatiza Arício.

                                                                     Veja mais fotos no Facebook do Crea-SE

O coordenador do Fórum e presidente do Crea-BA, engenheiro civil, Luiz Edmundo Prado de Campos conduziu os trabalhos que também foram pautados em discussões sobre a implantação do Livro de Ordem; regulamentação do CreaJr; anuidade e viabilização de convênio entre o Confea e a Caixa Econômica para uniformização de procedimentos referentes ao registro da CEF nos Creas e formalização do acervo técnico dos profissionais da Engenharia e Agronomia pertencentes ao quadro técnico da Caixa.

Para Luis Edmundo a reunião foi bastante positiva e produtiva. “Na última reunião definimos sobre o uso do aplicativo de celular em todos os Creas do Nordeste e temos a alegria do projeto ter saído do papel. Saio de Aracaju com a expectativa de fazermos um bom trabalho em relação ao Livro de Ordem, para que ele seja um instrumento efetivo na proteção da sociedade e do exercício legal das profissões”, declarou.

Também participaram do Fórum em Aracaju, o Superintendente do Confea, Reynaldo Barros; o chefe de gabinete do Confea, Luiz Antônio Rossafa, o conselheiro federal por Sergipe, João Bosco de Andrade; o diretor da Mútua/SE, Ronald Donald, além de assessores de Creas. A próxima reunião ordinária do Fórum de Presidentes dos Creas da Região Nordeste está marcada para o dia 22 de novembro na cidade de João Pessoa, na Paraíba.

Print Friendly

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *