Engenheira agrônoma de Sergipe é homenageada na Soea Connect

A engenheira agrônoma -pesquisadora da Embrapa- Maria Urbana recebe honraria das mãos do presidente do Crea-SE, Jorge Roberto Silveira.

A engenheira agrônoma de Sergipe, Maria Urbana Corrêa Nunes – pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE)- foi uma das homenageadas pelo Sistema Confea/Crea/Mútua na abertura da Soea Connect que acontece até está sexta-feira, em Goiânia. A pesquisadora recebeu a Medalha do Mérito das mãos do presidente do Crea-SE, engenheiro civil, Jorge Roberto Silveira.

A cerimônia ocorreu de forma virtual com a exibição de vídeos dos homenageados, um momento marcante da primeira noite de programação da SOEA, transmitida pela Internet para mais de 11 mil inscritos.

“Agradeço pela homenagem. É um reconhecimento público pelo trabalho que realizo como pesquisa da Embrapa, desenvolvendo tecnologia para uma agricultura sustentável. Esta homenagem é uma conquista, resultado não apenas do meu empenho profissional, mas também da colaboração de muitas pessoas que no decorrer da minha vida profissional contribuíram para a concretização deste momento. Gratidão a todos”, afirma Maria Urbana.

A engenheira agrônoma, Maria Urbana foi indicada para receber a honraria pela Comissão do Mérito do Crea-SE. “ É uma profissional com vasta e rica contribuição para a engenharia sergipana, em especial para agronomia, afirma o presidente Jorge Silveira ao parabenizar a pesquisadora pelos relevantes serviços prestados a engenharia e a sociedade sergipana ao longo de sua carreira.

Maria Urbana possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Lavras (1976), mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras (1980) e doutorado em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (1991).

Atua como pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros desde 1980, com ênfase em Sistemas Agroecológicos de Produção, atuando principalmente em biodiversidade, manejo e tratos culturais, adubação com fontes naturais de nutrientes, aproveitamento de resíduos agroindustriais com ênfase na casca de coco e outros resíduos do coqueiro, substratos agrícolas e produção de adubos orgânicos.

Print Friendly

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *